EU AMO O CABELO DELA - LEANDRO MELQUIADES


      Quando a conheci era a moça mais encantadora do mundo, e esse mundo tratou de nos fazer os melhores amigos. Sorri suas alegrias, rimos nossas tristezas, alimentamos pensamentos, descolorimos os traumas, "desbaguncei" seus cabelos e ela os meus.
    Esses seus cabelos que já foram curtos, foram nulos, coloridos, foram longos e trançados, relaxados, muitas vezes escondidos sob a beleza de um lenço estampado, tantas vezes amarrados, presos, mudos sob a sua beleza inaudita, foram também o centro de muitas das nossas conversas e pensamentos estético-psicanalíticos.
      Eu a vi melhor. E ela também me viu. Nosso amor-amigo transbordou o mundo, lugar onde era a mais encantadora, e virou amor-amor. Ganhei uma amiga maior, uma mulher gigante, uma pessoa nova. Conhecemos nossas lágrimas e inseguranças embaraçadas, e vi que as dela começavam nos pés e terminavam nos cabelos. Os inseguros cabelos que eram desencrespados a cada insatisfação; que precisavam ser embalsamados para mostrar uma suavidade artificial; que eram cortados, e chorados de arrependimento logo em seguida. Disfarçados, escondidos, esgotados... seus fios só não foram livres. Uma bagunça. E quando o cabelo preso é a sua metonímia, é importante perceber que a única saída é libertá-los. Ela percebeu.



        No início resistiu sob o argumento de que nunca conseguiria deixar o seu ser crespo ser sua beleza análoga... Talvez devesse ainda domar, conter, enclausurar sua metonímia... seu cabelo. Mas depois compreendeu... Negou que fosse dura, rebelde e sem-jeito, como cresceu sua natureza e como pretendeu disfarçar-se naturalmente. Viu-se crespa, bela, rainha, exuberante, e me mostrou os seus fios soltos, livres, desmascarados. Esteve ainda mais linda, e como se não fosse possível, foi-se-me redescoberta. Nova. Confiante! Dos pés aos fios soltos, todos, ela agora é outra, ainda mais maravilhosa porque é mais ela. Eu, orgulhoso e reflexo, também encrespo minha cabeça adiante, e de mãos dadas desembaraçamos e desbagunçamos igualmente meus nós enrolados, e seguimos amando sorrindo esses novos nós inseparáveis que nos tornamos juntos.  


 
        Por Leandro Melquiades

This entry was posted on 09/06/13 and is filed under ,,,,,. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

21 Responses to “EU AMO O CABELO DELA - LEANDRO MELQUIADES”

  1. Que lindo, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo! Eu me deleito nos dreads crespos do meu amado...

    ResponderExcluir
  3. poxa da hora seu blog...meu cabelo num é crespo ñ , mas é mega cacheado >.< kk

    http://besteirinhasdemim.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Nossa lindo demais esse texto.... Amei ,)

    ResponderExcluir
  5. Nossa que perfeito! Bonito como ver que o amor aceita e como mudar também a gente!LINDO!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E isso é um processo importantíssimo, né?! Que bom que gostou! Obrigada pelo comentário!.

      Excluir
  6. Lindo ver meu Texto aqui!! Fez-me sentir importante... Encrespemos nossos amores!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós agradecemos o privilégio de poder publicá-lo.

      Excluir
  7. Lindo texto...Obrigada ...Genoveva

    ResponderExcluir
  8. Lindos!!! Jaci, Leandro e Matias referencia de familia preta!!!!

    ResponderExcluir
  9. Sempre inspiram. Perto ou longe, inspiram. Gratidão pela escrita repleta de afetos.

    ResponderExcluir
  10. Quando amor,repeito e compreesão que admiravel.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!