MUITO ALÉM DA ESTÉTICA

   
   "As preferências individuais (estejam ou não enraizadas na autonegação) não podem escamotear a realidade em que nossa obsessão coletiva com alisar o cabelo negro reflete psicologicamente como opressão e impacto da colonização racista." Essa frase, escrita por Bell Hooks em seu texto 'Alisando nosso cabelo', é a assinatura do meu e-mail. Vem antes do meu nome e diz muito sobre quem sou e o que penso. Certamente, não apenas sobre mim, mas sobre cada mulher preta, africana, da face da Terra. É sem dúvida como ela disse, uma obsessão coletiva. A maioria esmagadora de nós sempre passou pelo dilema cabelo.


     Comecei a ter interesse por cabelo natural por volta dos meus 14 anos, no Ensino Médio. Eu fazia o cabelo no Beleza Natural - que de natural nada tem, apenas um creme com cheiro horrível que te deixa dependente - e me achava a mais natural e cabeça aberta das minhas amigas. Pensava que era super consciente por não gostar da chapinha que elas gostavam. Pura ilusão! Quando comecei a ver os cabelos black, achava lindo, mas achava que "em mim não ia ficar bem" ou "o meu não fica assim". Isso é uma fala muito comum entre nossas irmãs. É muito triste o que o racismo faz por que a gente nem se conhece com o nosso cabelo natural mas fica especulando negativamente sobre ele.
    Finalmente, no início de 2009, consegui começar o processo de volta à minha imagem africana. Um processo que só foi possível por que foi feito em coletivo, em comunidade. Comecei a participar de um grupo de estudos de pretas e pretos. Foi essencial não só pra mim, mas pra outras irmãs que iniciaram também seu processo de transição.

Sobrinha da Mayra.
    É muito importante que entendamos que nós, enquanto mulheres pretas, estamos inseridas dentro de um coletivo, e as ações que tomamos referente à nossa estética está diretamente ligada a todas as outras. Afirmar um cabelo africano numa sociedade anti-africana é, antes de tudo e mais que tudo, uma afirmação política. Muito além da estética. Por isso precisamos compreender que não é moda, não é estilo. Por que o cabelo do branco cresce e não é chamado de estiloso? O nosso cabelo, é só um cabelo, que diz muito sobre quem somos e de onde viemos, mas não diz tudo. As pessoas se sentem afrontadas e confrontadas quando andamos por aí com nosso cabelo que "subverte" o padrão de todos os outros povos do mundo. Elas pensam "Como é possível ela não querer imitar a nós, como todas as outras?" Não se preocupe, assim que elas te virem, principalmente as loiras, irão sacudir o cabelo e passar os dedos pra mudar de lado, ou farão aquele nózinho que muitas de nós tentamos fazer um dia. Muitas das nossas irmãs rirão de nós, mas não pensemos que elas são racistas. Não, não tem como pretos serem racistas. Somos todos vítimas da mesma opressão, e se elas riem é justamente por que sabem que são como nós e querem se distanciar do que elas sabem que são. Então, devemos ter paciência entre nós mesmas e entender que o processo só acontece na medida em que se cria uma consciência coletiva.

    Sofri resistência da família na transição, principalmente do meu pai. Meu espelho era Erykah Badu e comecei a cultivar em mim o sonho de ter o black como o dela. Meu pai, principalmente, passou a amar. Chad - A Natureza em toda sua Pureza passou a ser a única marca de cosméticos que utilizo. É uma marca feita por nós, para nós, pensada na especificidade do cabelo preto. Sem nenhum tipo de aditivo químico, é ótimo pro crescimento, brilho e força do nosso cabelo. Os produtos que uso são o xampu em barra e o óleo de coco, além dos perfumes que dão um cheiro ótimo que todos adoram. 

    Em dezembro do ano passado, novamente com resistência dentro de casa [risos], passei pelos dreadlocks. Amo, amei o tempo em que estive com eles mas cortei ontem... [risos]! Continuo a minha vivência RasTafarI, mas agora, cultivando meu black novamente e admirando os locs do meu noivo e de tantos outros irmãos e irmãs. Turbantes majestosos também fazem parte da minha coroa, tanto pela estética como pela proteção. Cabelo cresce. Cabelo natural africano é lindo. É o único cabelo no mundo que tem a forma que tem e por mais que tentem apagar cada aspecto de nossa africanidade, ela se mantém firme dentro de nossas cabeças. Só precisamos deixá-lo sair. Seja black curtinho, enorme ou dread, o que é válido é que seja africano, que não apague de forma alguma quem somos! Força! Estamos aí sempre pra essa troca gostosa que só nós sabemos como é!


This entry was posted on 07/12/12 and is filed under ,,,,,,,,,,. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

8 Responses to “MUITO ALÉM DA ESTÉTICA”

  1. , não tem como pretos serem racistas. Somos todos vítimas da mesma opressão..."
    Só uma observação, não tem como nem Pretos e nem Brancos serem racistas por que tanto o negro quanto o branco são vítimas do sistema que segrega.

    ResponderExcluir
  2. Discordo.
    Os brancos e todos nós estamos sim em um sistemas segregador, onde o branco é o privilegiado, portanto ele quem praticou e muitas vezes pratica ações de exploração e poder sobre a economia negra, a cultura negra e ao biotipo negro...

    ResponderExcluir
  3. Só porque ele é privilegiado não tira a manipulação dele. ele foi criado pra ser racista, e o preto tbm , mas só pq um é privilegiado então ele é racista por que quer? Não faz sentido moça. A manipulação não foi a mesma ? Ele foi criado e moldado pra pensar daquele jeito e o preto tbm, ambas formas são ruins, só por um consegue se dar "bem" (pq a cegueira é um mal), então ele tem culpa e o outro não, ambos cometem o mesmo crime, de racismo, um sofre com isso, e o outro não (ou pelo menos acha), vítimas do mesmo controle, agora eu quero que vc me diga qual é a diferença entre os dois controles mentais.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Meninas. Primeiro queremos agradecer pelos comentários. Todas as discussões são válidas e os pontos de vista devem ser avaliados e respeitados. A literatura afrocentrada diz que negros nunca serão racistas. Somos gerados num sistema que só nos permite ter reações de proteção, e ela se revela de várias formas. Pode não ser a maioria, mas, se observarmos bem, muitos brancos escolhem esse caminho. E como um manipulador pode ser manipulado?

    ResponderExcluir
  5. Como dito acima por Meninas de Black Power, é isso que tentei dizer.
    Embora não tenhamos nascidos programados a nada. Nascemos em uma sociedade já estabelecida, podemos nascer por exemplo em um país colonialista que dizima dezenas de tribos. Ou em país teocrático que me impõe um cultural religioso. Ou ainda posso nascer em meio a nobreza. Ou pobre, preto. Ou não. Ou mais, nascer branca com atitudes racista consciente ou não, velado ou não. Será que entendeu? Não estou sendo irônica. Mas nascemos em certo privilégio ou carência.
    Com certeza o sistema nunca favoreceu os negros africanos. Nem muitos pretos que no caso do Brasil, muitos deles, Claro que não geral, incluem-se nos em alto índices de violência, homicídio, analfabetismo.
    Muitas vezes não favoreceu o biotipo negro. É só ver a mídia, a história, a literatura...
    Eu nunca disse que todo branco é racista, ainda mais por ter nascido com privilégios sobre os negros.
    Eu somente respondi com na base sua afirmação: " Só uma observação, não tem como nem Pretos e nem Brancos serem racistas por que tanto o negro quanto o branco são vítimas do sistema que segrega."
    Há sim negros que não se aceitam porque a ele foi ensinado, implantado, ou foi forçado, até chicoteado, para entenderem que são de raízes inferiores.
    Há sim brancos racistas.
    Há brancos inseridos em um meio racista, queira ele ou não.
    Há brancos, ou qualquer outro tipo de grupo de pessoas que represente certa raça/povo privilegiado que não são racistas.
    Todos nós podemos ser manipulados por vários motivos e manipuladores.

    ResponderExcluir
  6. Eu na verdade quis dizer: No Lugar de ("Eu nunca disse que todo branco é racista, ainda mais por ter nascido com privilégios sobre os negros.") Quis dizer: Eu nunca disse que todo branco é racista, mesmo* nascido com privilégios sobre os negros.
    Quando disse que há brancos, ou qualquer outro grupo de pessoas que representam* certa raça/povo privilegiado que são racistas porque não praticam atitudes racistas.
    Quando qualquer pessoa se refere ao termo sociedade racista, ou algo de âmbito geral, ela assim o diz, devido a necessidade de formalização. Isso não quer dizer que "o indivíduo" (uma pessoa branca e rica, por exemplo)parte desta sociedade seja racista. É como por exemplo quando digo que a educação do Brasil é péssima como é, não quero dizer que uma escola x ou y seja péssima.

    ResponderExcluir
  7. última correção prometo. Lê-se assim: Quando disse que há brancos, ou qualquer outro grupo de pessoas que representam* certa raça/povo privilegiado que são racistas,são porque praticam atitudes racistas. Isso não envolve individualidades.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!