MEU CABELO É 4C. E AGORA?

por Tainá Almeida

      Eu sempre quis cabelo black power. Queria o maior, mais lindo, mais tudo. Pesquisei, lógico. Percebi que meu cabelo deveria ser super parecido com as maiores divas do meu coração: Esperanza Spalding e Erykah Badu. Pensei: Moleza, piece of cake, molengo tengo, tenho minhas divas master como espelhos. Comecei a trajetória crespa, percebi que a teoria é uma coisa, a prática, outra. 
      Nesta sociedade não existe pessoa que esteja preparada para assumir um 4C. Quando pensamos em cabelo crespo, pensamos em mulheres com cachos perfeitos com o diâmetro de um dedo indicador. Não tenho isso. Quando pensamos em cabelo crespo, pensamos em horas a menos na preparação. Não tenho isso. Quando pensamos em cabelo crespo, não pensamos em 4C, mas isso eu tenho. Quando me vi com o grande corte [depois de retirar toda a parte com química e ficar só com o natural] e percebi que meu cabelo não estava nas capas de revista, deu medo, mas eu fiquei firme. Pensei na Esperanza, na Erykah, pensei em toda a liberdade que eu poderia terSó de pensar que eu não precisaria pensar em alisar minha raiz a cada 20 dias, só de pensar que eu não precisaria ficar sufocada com o cheiro do formol, apareceu uma força ancestral que me ajudou a manter meu crespo aqui, rico e finalmente empoderado. Hoje, com um 4C, valorizo meus micro cachos, entendo meu fator encolhimento e acima de tudo, respeito… pois só quem tem um 4C sabe o que é se submeter à vontade do próprio cabelo.
      E agora? Agora é conhecer o cabelo, descobrir que ele gosta de creminhos, óleos, carinhos. Eu descobri que a melhor coisa para o meu crespo é não usar pentes e sim os dedos para desembaraçar. A cada dia é uma descoberta. Como ninguém fala disso, como não temos 4C na mídia, a gente descobre tudo aos poucos. Mas estou longe de desistir!

This entry was posted on quarta-feira, 19 de março de 2014 and is filed under ,,. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

24 Responses to “MEU CABELO É 4C. E AGORA?”

  1. Que linda! Fiquei emocionada com seu texto.
    Falou muito bem!
    Realmente não são todas que estão preparadas para assumir, e quando estão na transição ou prestes a fazer o BC o que elas mais falam ou o que mais compartilham? Cachos perfeitos.
    Tenho 6 cunhadas de cabelos crespos, e incentivo cada uma de um jeito diferente. Mas uma coisa é certa e todas elas falam: "Mas o meu não forma cacho que nem o seu."
    Por um momento fico sem argumento sabe, mas é difícil vc explicar pra seis cabeças que não é essa a questão, é questão de liberdade, de se assumir, se amar como é!
    Enfim...
    Adoro o blog, adoro 4C e você é muito linda!
    Beijo

    www.deboraninja.wordpress.com
    IG: @debora_ninja
    Facebook: /deboraninjaoficial

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Debora, explicar que meu cabelo faz cachos é super complicado. Eles são micro, mas têm sua beleza!!! Não foi fácil descobrir como lidar com meu crespo. Qualquer dia conto meus choros e minhas descobertas.
      Admiro seu trabalho de tentar explicar para as seis moças a diversidade de crespo que temos. E seu como é difícil mostrar que o belo está em não ser igual. Parabéns!
      Beijos!!!

      Excluir
    2. Nossa eu estava falando sobre minha aceitação 4C semana passada com as MBP.
      Quando entrei na transição pensava que meu cabelo seria como o da Taís Araújo , na minha cabeça aquilo era a representação de um cabelo crespo.
      Ao longo dos meses percebi que não era muito parecido e dai pensei em desistir, porque achava que não saberia cuidar. Bem, depois de vários bate papos resolvi continuar na transição.
      Hoje estou bem com meu cabelo a cada dia descubro algo novo (inclusive que ele cacheia sim) e tudo bem.
      beijos
      Andressa

      Excluir
    3. Andressa, cacheia... e todo dia é uma aventura. Mas isso é tri bom. ;)
      Beijos.

      Excluir
  2. É verdade,tudo isso que vc diz afeta também quem tem cabelo 3c, porque no processo de aceitação a gente fica naquela loucura da definição, até perceber, que o cabelo não é todo definido, ele tem friz, ele tem volume, quase ninguém na cidade usa, vc não sabe bem como lidar,mas na experiencia diária vai se descobrindo e aprendendo a se amar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que isso se aplica para quase todos os tipos rs, mas falo do meu pq é o único que tenho propriedade para falar.
      Beijos!!! E força no crespo!

      Excluir
  3. AMEI, falou a verdade e tocou na ferida Tainá, vejo muitas pretas por ai que falam a mesma coisa, " ha! assumir o seu crespo é facil, o meu não é como o seu" e eu ficava com aquela cara ne! sem ter o que responder, e sempre levantei a bandeira e acho que há diversas formas e maneiras, penteados, tranças, turbantes, coisas lindas que podemos fazer no cabelo, mas infelizmente dentro do nosso próprio meio vivemos as divergências, e vejo muita falsidade tb, pessoas que levantam a bandeira, assumem o cabelo mas dão " aquela" relaxadinha, pra ficar parecido com a amiga que tem crespos com cachos e os dela não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente por isso que precisamos começar a falar de nossos cabelos, mostrar nossas possibilidades de penteados para ajudar as irmãs que ainda não tem coragem de assumir. ;)
      Beijos!

      Excluir
  4. Nossa eu estava comentando isso na semana passada com as Meninas Black Power!
    Para mim foi tão difícil aceitar o meu 4C, no começo da transição via o modelo de cabelo crespo que a mídia nos mostra e sempre pensava que o meu seria igual.
    Na minha cabeça meu cabelo seria como o da Taís Araújo e por isso continuei com a ideia, com o passar dos meses percebi que não tinha semelhança e pensei em desistir. E depois de muitos bate papos resolvi continuar.
    Bem, hoje estou de bem comigo e com meu cabelo.... a cada dia descubro uma nova forma de tratar ou pentear . Gostei do post me identifiquei bastante.
    beijos,
    Andressa

    ResponderExcluir
  5. É mesmo complicado, mas num desista mesmo não flor.
    Eu estou em transição ainda, não dá para definir direito qual a classificação do meu cabelo mais já me decidi assumi-lo de vez ao natural custe o que custar.

    Bjoooooo
    Blog da Thaby - http://thabysme.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Adorei o texto! Muitos Parabéns! Assumir o que temos de tão unico, especial e diferente é preciso ter uma boa dose de autoestima.

    http://mariaesuasraizes.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  7. Oi :) alisei meu cabelo muito nova, então acabo não lembrando da forma natural do meu cabelo. Minha pergunta é... com 4 meses de transição (que é o que estou agora) ja tem como ter uma noção de qual cacho vai se formar? Se da pra perceber pela raiz, ou algo do tipo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana. Nem sempre dá para perceber, na verdade a gente só descobre meeeeesmo como é nosso crespo quando retirar toda a química, você pode ter uma noção, mas é difícil dizer com certeza.
      Além disso, o cacho se forma, principalmente, nos cabelos hidratados e bem cuidados. Sempre que termina uma hidratação eu vejo os cachos bem definidos na parte da frente do meu cabelo. Tenta tocar, se acostumar com a textura desse cabelo novo e forte que está crescendo. Veja o tamanho dos cachinhos, dê muito amor, carinho, nutrição a esse cabelo, tenho certeza que independente do tipo, ele será lindo!

      Excluir
  8. Muito bom encontrar pessoas que aceitam o 4C como eu tenho aceito! Tem sido um prazer descobrir a textura e o formato do cachinho que nasce da raíz!!!
    A única coisa q dá agonia é a sensação #falsa de que ele não cresce, mas ele cresce sim!!!!
    Viva o 4C!!!

    ResponderExcluir
  9. Tenho cabelo 4C e fui ensinada a alisar o cabelo desde que nasci. Sempre foi colocado na minha cabeça que cabelo igual ao meu é "ruim", feio, duro e essas coisas. Fui tão doutrinada a alisar que nunca tinha parado para refletir sobre, alisava e pronto.
    Então, de repente me deparei com uma crise de identidade: Qual é minha verdadeira cara? Quem sou eu de verdade? Qual a minha essência?
    Estou há 10 meses sem passar química no meu cabelo por estar grávida e me vejo na situação "agora é a oportunidade de mudar", mas não sei o que fazer com meu cabelo.
    Me sinto muito bonita com os cabelos alisados, acho que valoriza o meu rosto, porém me vejo na responsabilidade de passar um novo pensamento sobre o cabelo crespo para minha bebê que está chegando. Quero que ela se ame, se aceite e não absorva os preconceitos, mas como fazer isso se eu mesma não consigo assumir o meu natural?
    É um grande dilema! Quero mudar, mas como?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Karen! Então, é difícil afirmar algo se você ainda não experimentou. Você não sabe como vai se sentir com o cabelo natural ou como vai enxergar seu rosto com ele, por exemplo. Mais do que passar isso pra sua filha, você precisa estar certa de que ser você mesma é um caminho possível. A grande questão na verdade é que não fomos preparadas pra aceitar nossas características, entende? É preciso se reeducar antes de educar. O maior exemplo é ela enxergar em você o desprendimento e consciência pessoal e intransferível. Pense sobre e conte com nosso apoio. Beijos!

      Excluir
    2. Karen, eu também fui ensinada assim. Você entende que esse seu dilema já é um pasao para a auto aceitação? Para assumir um cabelo crespo, a mudança precisa ser de dentro pra fora. Torço para que você dê uma chance ao seu crespo. No que precisar, chame a gente... converse, isso nos alivia em momentos de 'dilema crespo'. Beijos!

      Excluir
  10. Haha super me identifiquei, meu cabelo é do tipo 4C e uso tranças pra tirar a química. E muito acham que meu cabelo tem cachos super definidos em formato de S, mas quando eu explico a real forma dos meus cachinhos, vem aquela cara de interrogação.

    ResponderExcluir
  11. tô na luta de aceitar o meu que também é 4c,ñ vou ser hipócrita de dizer que tudo bem que tá sendo fácil, mais continuo tentando acabei de fazer o bc(famoso big shop)tô tentando deixa-los natural.

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!