ESCREVEDORAS DE NÓS!


       Fico cá pensando sobre nossos receios em relação à leitura e à escrita... Eu poderia tecer milhões de teorias libertárias, falar do papel negligente da escola em nossa formação crítica, etc. Mas vou falar desse bloqueio através do olhar sensível. A escrita é, naturalmente, um reflexo da oralidade. Nós, enquanto mulheres negras descendentes de africanas e africanos, vivemos a experiência da fala no nosso DNA. Nossa ancestralidade nos faz contadoras e contadores de estórias. Então, por que não nos vemos na posição de contadoras da história?! Da nossa história?!

    Reafirmando que a escrita é reflexo da fala, penso que nossa dificuldade em produzir textos vem do silêncio que o racismo nos impôs. Nossa fala foi calada com a mesma violência que os corpos de nossos ancestrais escravizados foram agredidos e feridos. O silêncio era a garantia da sobrevivência, afinal "se gritar, apanha mais!".
     Sendo assim, essa escrita, até rasgar a fronteira que existe entre a tinta e o papel, se esconde. Essa escrita demora a chegar. Essa escrita ainda se cala diante do receio. Essa escrita ainda não veio...
      Enquanto mulheres pretas, já temos textos internos capazes de alimentar blogues e páginas por mais de 500 anos, com postagens diárias! Enquanto mulheres pretas na construção do empoderamento, temos a capacidade de compartilhar nossos pensamentos de forma orgânica e humanizada.
    Não se sintam constrangidas: vamos nos compartilhar e nos ensinar e nos aprender! O Grupo de Trabalho Histórico e Político do Coletivo Meninas Black Power não é o Grupo de Trabalho mais acadêmico, como pode às vezes parecer por conta do imponente nome! Ele é - e deve ser! - o Grupo de Trabalho que cumpre a função de contar nossa própria história por nós mesmas!
    Por isto convido à todas que usem as letras, as palavras, frases e textos como arma contra os nossos cativeiros particulares. Que cada fonema escrito quebre um elo dessa corrente invisível que nos prende e machuca diariamente. Que nossa escrita surja e insurja! Que possamos contaminar mais mulheres pretas com nossa força e amor. Escrevam-se! Beijos carinhosos de Fabíola Oliveira, coordenadora do GT HEP e escrevedora de mim.


This entry was posted on 05/09/13 and is filed under ,,,,,. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

4 Responses to “ESCREVEDORAS DE NÓS!”

  1. Eu amei, e concordo com cada ponto do texto! Uma voz calada, e um ser humano que sofre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cristiane!
      Que bom poder compartilhar ideias e sentimentos.
      Que nossa escrita possa nos libertar da dor que é não poder se expressar.
      Grande abraço,
      Fabíola.

      Excluir
  2. Olá, meninas!
    Comecei a pensar em escrever quando conheci o Blogueiras Negras que é um espaço rico e diverso onde discute negritude, feminismo, racismo etc.
    Não sou uma menina tímida, mas não consigo lidar com a exposição que é escrever por mais que seja para contribuir com nossa irmandade tenho que trabalhar melhor essa questão antes de publicar um texto mesmo assim fico muito feliz em saber que aqui é um espaço aberto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria Fernanda... Este é uma espaço aberto, sim. E como a Fabíola bem disse, aprendemos a não falar dessas questões. Isso é um exercício diário. Pouco a pouco, sem pressa, aprendemos a dizer tudo que precisa ser dito!
      Quando você chegar ao ponto de fazer um texto sobre isso, não tema, publique!!
      Estamos aqui para o que precisar, beijos crespos!

      Excluir

Obrigada por comentar!