O RACISMO ME FEZ PEDRA. E O AMOR VEIO COMO ÁGUA.

por Jessyca Liris

Foto: Jessyca Liris
      Foi estranho, e ainda é, saber que o meu amor é recíproco, que eu sinto e sentem por mim de volta. Eu não lembrava mais como era ter uma relação afetiva assim, com tamanha intensidade e intimidade, talvez porque nunca tivesse vivido. Durante todo meu processo de autodescoberta e de empoderamento inicial, eu estive "solteira sim, sozinha também". Há total ligação com o outro texto, o "Teu corpo não é estranho". 
      Quando começo a sentir algo diferente por alguém e até então não é recíproco, não tem nada de novo sob o sol; mas quando descubro que há reciprocidade, começa todo o questionamento e insegurança. "Como alguém pode gostar de mim?" e "ele pode ter alguém muito mais bonita e inteligente, pra que vai ficar comigo?". Percebi que todos os questionamentos existiam por causa do que eu vinha vivendo enquanto mulher preta, por causa da solidão que nos é imposta, a ausência de romantismo e a dose cavalar de erotismo e só. Dentro de mim não havia a possibilidade de ser amada de volta  pensava "olha isso, Jess! Quem vai querer?". 
       Eu escrevi e reescrevi esse texto algumas vezes, porquê falar da existência de uma afetividade, onde eu sou uma das protagonista, é inédito de certa forma. Toda vez que escrevo em primeira pessoa, não é como Jessyca-indivídua, e sim como Jessyca-mulher preta, que faz parte de algo plural, que entende que o amor é negado a nós e nos causa estranhamento. É claro que nem toda mulher preta passa por isso (que bom!), mas quando eu achava que era uma coisa só minha, vinha uma irmã e chorava suas dores afetivas comigo e eram as mesmas, era o mesmo que eu sentia. Ter um par hoje não cura todas as minhas feridas, nem tira as minhas dores, e nem é a solução dos meus problemas, mas ajuda a dividir, a entender. O sistema nos isola, nos castra, nos faz pedra. Mas água mole em pedra dura, tanto bate até que fura!

This entry was posted on 03/08/15 and is filed under ,,,,,,. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

12 Responses to “O RACISMO ME FEZ PEDRA. E O AMOR VEIO COMO ÁGUA.”

  1. Isso é muito profundo,me roca de tal forma que...
    Também me sinto assim,sozinha e me faço essas perguntas dia após dia. É uma batalha constante.
    Esse texto vai me servir como reflexão.
    Obrigada irmãs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos juntas, irmã. Mantenha a esperança. Beijos!

      Excluir
  2. Adorei esse texto Jess, é exatamente assim.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal saber que estou com irmãs. Mesmo ainda sendo pedra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente torce para que seus pesos fiquem cada vez mais leves, irmã! Muito amor pra você e obrigada por comentar! Beijos.

      Excluir
  4. Lágrimas! Identificação total.
    Obrigada Jess.

    ResponderExcluir
  5. Esse texto me fez chorar copiosamente, são sentimentos que foram aflorados, culpas, julgamentos, questionamentos feitos sem respostas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente compreende e deseja que tudo isso seja curado dia após dia. Obrigada por comentar! Beijos.

      Excluir

Obrigada por comentar!