SOBRE LIBERDADE

por Jaciana Melquiades


       Depois que deixei meus cabelos livres de químicas que modificavam a estrutura dos meus fios, me peguei pensando/conversando/refletindo sobre liberdade. Liberdade dos fios de cabelos, sobre o "poder fazer o que quiser com os cabelos", sobre autoconhecimento.
       Entendam que aqui vai a minha percepção, pensada a partir de minha trajetória e experiência pessoal com meus cabelos. Eu usei relaxantes por muito tempo. Mas usei relaxantes com o único pensamento de possuir uma estrutura capilar que eu elegi (com a ajuda da mídia, do racismo, das piadas pejorativas, da autoproteção) como ideal. Passei anos nessa busca. Nunca estava suficientemente boa a forma dos meus "cachos". A raiz precisava de retoques, o fio de mais cachos, os cremes e hidratações tinham que ser milagrosos... E caríssimos. E nunca estava suficientemente bom! Sei que já disse isso, mas era sempre assim: frustrações recorrentes, seguidas e mais certas que o dia. Quando eu olhava fotos anteriores ao momento em que estava vivendo, via beleza... mas no espelho, não.


       Achava ótimo ter um cabelo com etiqueta. No fim das contas, era uma competição: comigo, com amigas, com uma comunidade virtual na qual todas as participantes esbanjavam conhecimentos químico-capilares, dinheiro e cachos (esses eram os mais sonhados e idolatrados!). Eu não me conhecia e mensalmente fazia o mesmo ciclo, a mesma maratona. Sofria a CADA fio perdido: eram menos cachos, dinheiro no lixo, estresse que tomava o dia! Um único pormenor não era levado em consideração: EU NÃO TENHO CACHOS! Nunca tive e nenhuma química seria capaz de me dar isso satisfatoriamente. Percebam: ter cachos definitivamente não é um problema... É lindo! Porém, não é o meu caso. E a busca pelos cachos perfeitos só maltratou meus cabelos e minha autoestima.
       Larguei os relaxamentos. Não foi simples. Pasmem: meu cabelo simplesmente não cai mais! Só faz crescer, pra cima, forte, meu! Ele não brilha, não mostra o crescimento (é preciso que eu pegue uma mecha e estique para ver toda a extensão dos meus fios), não faz cachos, não balança, não, não, não, não, não. Parei com os "nãos" também. Fui aprender o que ele faz e como é que se faz qualquer coisa nele. Larguei também os espelhos distorcidos que eu tinha e que só me faziam ver erro em meus fios! Estou aprendendo muito. Descobri que posso ter os cabelos que eu quiser, mas sobretudo, percebi que meus cabelos são meus e são únicos.


       Penso hoje nos recursos que uma mulher negra de cabelos crespos possui para diversificar seus penteados, usar os cabelos lisos, cacheados, crespos. Escovas, relaxantes naturais, técnicas infinitas de texturização dos fios, tranças. Não vejo nada disso com maus olhos, até uso muitos desses recursos pra modificar meu visual, mas mesmo sem alterar a estrutura dos meus fios, acho importante que esses recursos sejam usados com tranquilidade e que nunca funcionem como meios de "camuflar", "disfarçar" ou esconder a estrutura dos próprios fios. É preciso que entendamos nossos cabelos, a forma ideal de penteá-los para que não se partam e para que a tarefa seja prazerosa. Que o toque em nossos cabelos não nos cause repulsa ou estranhamento, e que o cafuné nos deixe confortável.
        Hoje meus cabelos só podem crescer, pois nada do que uso faz cabelos caírem ou minguarem. Hoje não tenho nenhum receio de tocar meus cabelos na rua, no reflexo do carro... Aliás, não ando mais me olhando em cada carro que passa por mim, pois sei que meus fios estão exatamente onde estavam pela manhã quando me arrumei! Hoje penso que sou livre pra deixar meus cabelos serem plenos e me darem toda a variedade que eles comportam. Aprendi que meus cabelos podem ser minha digital. Troquei a etiqueta pela identidade.

P.S. Todo amor aos meus espelhos.

This entry was posted on 04/04/14 and is filed under ,,,,. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

15 Responses to “SOBRE LIBERDADE”

  1. Ótimo texto!
    Esta liberdade que conseguimos é muito maravilhosa, estou amando ser uma MBP em consequência amando a mim mesma :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eba! Gostamos de conhecer MBPs convictas. Obrigada pelo comentário. Beijos!

      Excluir
  2. Maravilhosas palavras! Já rodei tanto tentando camuflar o meu verdadeiro cabelo e hoje estou passando pelo processo de transição. Está sendo difícil e espero conseguir chegar até o fim..que eu não desista!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai conseguir! Você está muito adiantada no processo. Permaneça firme e conte com a gente.

      Excluir
  3. Esse blog é inspirador, eu já sofri muito com quimicas... era uma tortura passar 2, 3 horas todos os dias alisando os fios, mas por mim aceitei meus cachos, volumosos e definidos, embora ainda problematicos e rebeldes, haha, mas nada substitui a sensação de liberdade! :)

    O blog é perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! A gente espera que você continue firme. Obrigada pelo carinho. Beijos.

      Excluir
  4. A última frase define todo o porquê de eu também ter entrado na transição. Pior que quando eu alisava para mim era só o relaxante. Depois nem cuidava direito, não usava nada demais. Aqui em casa eram três cabeças para "cuidar" e dinheiro pouco. Agora são duas só - e espero que esse número diminua. Amei o post! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom! A ideia é sempre agregar, ensinar as vantagens de ser o que se é, mas sem ditaduras e regrinhas.

      Obrigada pelo comentário. Beijos!

      Excluir
  5. O texto condiz com tudo que passei. Até um ano atrás, meus cabelos eram alisados e dependiam da bendita chapinha. Um dos meus pesadelos era a danada daquela chuva sem aviso prévio! Andava por ai com o cabelo já morto, cheirando a queimado por causa da chapinha e com meus ombros cheios de pedaços de fios que nao resistiram à tanta tortura. Desde meus 8 anos de idade eu fui escrava de químicas que nunca demoravam mais que 6 meses para levar meu cabelo da minha cabeça ao chão, e eu ainda assim retocava o veneno, com medo de assumir meu cabelo e dos olhares que deveria aturar. Por isso estava sempre "careca", com cabelo na altura dos ombros por nunca mais que 3 meses e sempre acabava chorando com os comentários que recebia. Então, no início desse ano decidi parar com a Química, e hoje estão satisfeita com meu cabelo E GOSTO DELE AINDA MAIS QUE ANTES!! Muita gente tem medo de arriscar mas eu digo : "vale a pena" .

    Amei teu texto. E espero que mais gente se junte a nós MPB's !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Giovanna! Que inspiração! Parabéns. Fique firme.

      Excluir
  6. Jesus, que texto! Amei♡ ... essa é a vida de muitas, a gente distorce nossa verdadeira beleza diante do espelho... para uns é só um cabelo... para nós uma história... esses dias eu estava comentando que a gente tem mesmo é que viver pra gente, desprezar opiniões destrutivas... gostei do troquei a etiqueta pela identidade... rs eu também! é uma liberdade inesplicável...

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!