CRESPAS PLUS SIZE - PARTE 1

por Grupo de Trabalho Moda e Beleza
  Usar aqueles modelitos lindos, cores, apetrechos e tudo mais que se tem direito... Afinal, quem não quer estar na moda e fazer parte dessa tribo? Mas seria possível para as plus size?
   Infelizmente o mercado da moda não produz roupas para as gordinhas, pelo menos não tanto quanto deveria. As mulheres brasileiras em sua maioria são corpulentas, quadris largos, bumbum grande ou estão com sobrepeso. 
     Nas vitrines das lojas e catálogos não encontramos muitas modelos negras plus sizes. Não seria difícil achar negras gordas lindas por esse Brasil, não é verdade? 
    Enfim, com ou sem o tão sonhado espaço para as plus sizes é importante ter a autoestima em dia, o prazer em se sentir bem e estar feliz tanto em seu guarda-roupas quanto na vida! Esse processo delicado de aceitação, como mulher negra, como crespa e natural e ainda aceitar seu peso é uma tarefa só sua. Então vamos ser felizes, usem e abusem do seu corpo, usem o que lhe agradar, não tenham vergonha, use seu bom senso é claro. Vale a pena! 
    Passe a ver a situação sob nova ótica, transmita confiança, chegue no salto, com atitude! Cabelão arrumado, um make charmoso. Toda semana publicaremos algumas dicas e uma entrevista para que você conheça outras crespas plus size.

Dicas:
- Dê preferência às calças de cós alto, assim ela não ‘corta’ o seu corpo visualmente.
- Leggings de malha grossa, são práticas e você deve ter sempre algumas a disposição.
- Quem disse que não pode usar estampas? Pode sim! Usando o bom senso de combinar as cores, claro!

Juliana Ferreira - Modelo    
MBP - Seu nome, idade e profissão? 
JF - Juliana Ferreira, 28 anos. Professora de Inglês e fotógrafa. 

MBP - Sempre gostou de moda? Quando seu interesse surgiu? Como você começou no mundo da moda? 
JF - Nunca fui muito interessada em moda. Há pouco mais de dois anos eu não sabia nem o que era Plus Size. Quando conheci uma consultora de moda Plus, hoje minha grande amiga Renata Costa, ela me contou sobre sua monografia, onde citava a Flúvia Lacerda e o blog Mulherão. Passei a pesquisar sobre o assunto e um dia resolvi fazer meu primeiro book fotográfico no Dia de Modelo, realizado pela autora do blog, a Renata Poskus. Depois ela me convidou para participar do Fashion Weekend Plus Size, em fevereiro de 2012. 

MBP - De onde surgem e quais são as suas influências de moda? 
JF - Eu ainda estou tentando achar meu estilo, quando vejo minhas fotos antigas me pergunto como eu pude sair daquele jeito [risos]. E atualmente tenho comprado peças básicas e mais vestidos. Também estou apaixonada por tecidos africanos e por turbantes. 

MBP - Gosta do seu corpo ou já fez dietas? Sempre esteve segura com seu corpo e seus cabelos ou já passou por alguma dificuldade? 
JF - Sempre me senti mais insegura com o meu cabelo do que com meu corpo. Já fui magra e me sentia feia. Deixava de sair porque não tinha grana para relaxar o cabelo. Depois engordei, fiz muitas dietas, mas o que me incomodava era o cabelo. A melhor coisa que fiz foi parar de fazer relaxamento e corta-lo. Primeiro as pessoas me chamaram de doida, mas agora me param na rua para falar que meu cabelo é lindo. Hoje, amo meu corpo e amo o meu cabelo. 

MBP - Já sofreu algum tipo de preconceito por ser negra e plus? 
JF - No "mundo Plus" falam que eu não sou tão gorda. E as meninas negras falam que eu não sou negra, que apenas tenho o cabelo crespo. Eu visto 46/48, então meninas que vestem 50 não me acham Plus Size. Minha pele não é escura, mas sim, me considero negra. Minha família tem a mistura mais brasileira que existe, de Índio e Português. Isso chega a ser engraçado, pois sofro “preconceito” por parte de pessoas que lutam tanto pelo fim do preconceito.

MBP - Acha que é possível se vestir bem sendo plus size e tendo pouca grana? 
JF - Eu ainda não consigo [risos]. Precisei pesquisar muito e contar com a ajuda de uma consultora de moda para definir meu estilo e comprar peças básicas e que valorizem meu corpo. Mas com certeza hoje em dia as coisas estão melhores, com tantas lojas mais populares abrindo o espaço para peças maiores e mais bonitas. Tenho esperança que as coisas irão melhorar ainda mais. 

MBP - Qual a sua mensagem para as nossas meninas sobre ser negra, crespa e plus size e qual a importância de assumir o cabelo crespo? 
JF - Você não precisa ser modelo para mostrar para os outros, e para você mesma, que é linda e que se aceita. Mas quer ser modelo? Então lute pelos seus objetivos. Infelizmente o preconceito está em todas as áreas. E no mundo da moda não seria diferente. Não é fácil para modelos magras, não seria para modelos gordas. Ficar no Facebook reclamando que não aparece nada e que sofre preconceito, não resolve. Busque cursos, leia mais, converse com quem entende do assunto, lute pelo que você quer. O que vejo no mundo Plus no geral, é que muitas meninas (brancas e negras) têm uma visão muito fantasiosa e que querem apenas a fama, e isso a qualquer custo. Modelo é uma profissão, requer sacrifícios e investimento. 

MBP - Indica algum site ou blog? 
JF - Indico dois blogs que gosto muito, o Fofashions e o MulherãoNeles vi histórias parecidas com as minhas e dicas de modas para quem está acima do peso. Indico o meu blog, onde quero contar minhas histórias e poder ajudar muitas meninas também. Eu visto GG.

This entry was posted on 06/06/13 and is filed under ,,,,. You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0. You can leave a response.

5 Responses to “CRESPAS PLUS SIZE - PARTE 1”

  1. Ju, tenho um orgulho incri'vel de vc! A menina desengonçada que nao sabia o que fazer com o cabelo e nem o que vestir pq tinha bumbum e seios fartos, hoje se tornou uma mulher incrivel mega antenada e descolada. E isso ai meninas o que importa e se amar e saber valorizar as formas, sejam elas quais forem...

    ResponderExcluir
  2. Adorei o Blog e como cabeleireiro aprendo muito com vocês negras que valorizam de verdade a identidade negra como um todo.

    ResponderExcluir
  3. Adorei o Blog e como cabeleireiro aprendo muito com vocês - Verdadeiras negras que valorizam sua identidade black como um todo. PARABÉNS!!!

    ResponderExcluir

Obrigada por comentar!